Archive Pages Design$type=blogging

Império espiritual sobre o cadáver de um império material

“Passados trezentos e cinquenta anos, Pessoa pôde, finalmente, escrever o epitáfio do império que é a Mensagem (Lopes, 1986), mas esqueceu ...


“Passados trezentos e cinquenta anos, Pessoa pôde, finalmente, escrever o epitáfio do império que é a Mensagem (Lopes, 1986), mas esqueceu que o corpo que ficou a apodrecer ainda não tinha encontrado sepultura. Qualquer epitáfio precisa de suporte, seja ele material ou metafórico. O império, enquanto cadáver, continuará organicamente a suportar a nação, a construção imaginada e em tudo mistificadora da nação salazarista.
Adiar a consciencialização de que o império colonial é apenas um cadáver significa para a nação continuar a autocontemplar-se como centro de um grande império.
[...] Depois de ter diagnosticado a morte do império, o tratamento que Pessoa propõe é o de reimaginar um novo imperialismo mítico e poético, em tudo diverso dos imperialismos modernos e centrais (decadentes). Se a nação de navegadores não teve a possibilidade de produzir um imperialismo de cultura no século XVI, é agora tempo de o reconstruir a partir daquela ‘minguada e passiva estirpe de sebastianistas’ que perpetuaram o conceito de império.
[...] Pessoa, tal como Bandarra, Vieira, Pascoais, Agostinho da Silva, foi um criador de mitos. O Quinto Império, apesar de ser apenas um mito poético, continua a perpetrar em vida o cadáver do império, a adiar o enterro já anunciado pela sinfonia e pelo requiem de Os Lusíadas. Enfim, se o diagnóstico da morte do império material português estava correcto, o tratamento proposto por Pessoa (D. Sebastião, Quinto Império) é, por sua vez, uma recaída, uma vez mais mítica, que alimentou a imagem do português como povo predestinado, sobretudo numa sociedade como a sociedade salazarista que, em nome desse mesmo destino, se aproveitou do adiamento do enterro para procurar convencer-se a si mesma e aos outros de que vivia realmente uma existência miraculosa."
- RUSSO, Vincenzo, “Cultura e imperialismo – o império como ‘cadáver adiado’”, in A Arca de Pessoa (org. Steffen Dix e Jerónimo Pizarro), Lisboa, ICS, 2007, pp. 75-90.
Na imagem: Um plano do filme “Poesia de Segunda Categoria”
Nome

argumentos autor bookcase competição concurso declaracao direitos escrita ficha de inscricao Figueira Film Art materia mente Poesia de segunda categoria
false
ltr
item
Bookcase: Império espiritual sobre o cadáver de um império material
Império espiritual sobre o cadáver de um império material
http://2.bp.blogspot.com/-blVRN0vX9rM/T0Ub-qJ4zYI/AAAAAAAAAJw/yl8HQ-u6Z78/s400/%2B2%2BLAGARTA.jpg
http://2.bp.blogspot.com/-blVRN0vX9rM/T0Ub-qJ4zYI/AAAAAAAAAJw/yl8HQ-u6Z78/s72-c/%2B2%2BLAGARTA.jpg
Bookcase
http://www.bookcase.pt/2012/02/com-mensagem-fernando-pesso-pretendeu.html
http://www.bookcase.pt/
http://www.bookcase.pt/
http://www.bookcase.pt/2012/02/com-mensagem-fernando-pesso-pretendeu.html
true
1755842811586539987
UTF-8
Not found any posts VIEW ALL Readmore Reply Cancel reply Delete By Home PAGES POSTS View All RECOMMENDED FOR YOU LABEL ARCHIVE SEARCH Not found any post match with your request Back Home Sunday Monday Tuesday Wednesday Thursday Friday Saturday Sun Mon Tue Wed Thu Fri Sat January February March April May June July August September October November December Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec just now 1 minute ago $$1$$ minutes ago 1 hour ago $$1$$ hours ago Yesterday $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago more than 5 weeks ago