Archive Pages Design$type=blogging

Sobre o nome do Prémio de Poesia (Antero de Quental) do SPN: um outro paradoxo?

No ano em que se comemora o 170º aniversário do nascimento de Antero de Quental, uma questão de pronto nos assalta: como é que alguém qu...


No ano em que se comemora o 170º aniversário do nascimento de Antero de Quental, uma questão de pronto nos assalta: como é que alguém que escreveu um texto como Causas da Decadência dos Povos Peninsulares nos últimos três Séculos teria reagido se soubesse que um prémio de poesia com o seu nome fora atribuído a um livro como a Romaria?




Ainda por cima patrocinado por um organismo de um Estado ditatorial e conservador, corporalizado a partir do derrube do liberalismo republicano, da qual sairia em 1933 um novo regime assente num nacionalismo tradicionalista e conservadorismo ruralizante.


Enquanto instrumento central de intervenção da chamada “Politica do Espírito”, o Secretariado de Propaganda Nacional (SPN) corporaliza a mais diligente e continuada tentativa de definição da posição do Estado Novo no campo literário. Anunciados no final de Novembro de 1933, os Prémios Literários relativos a 1934 (distribuídos no ano seguinte, em 21 de Fevereiro de 1935), inauguram um mecanismo do SPN de “regulação do campo literário” (Pinto 2008, 70). O Prémio Eça de Queirós (Romance), O Prémio Antero de Quental (Poesia), o Prémio Ramalho Ortigão (Ensaio), o Prémio Alexandre Herculano (História) e o Prémio António Enes (Jornalismo; posteriormente, Jornalismo – Doutrina ou Polémica) são os que vigorarão desde o início.

Sobre os vectores ideológicos do Estado Novo, refere Rui Pedro Pinto que “O catolicismo integrista de raiz neotomista, que influenciaria determinantemente o pensamento de Salazar – fundamentando um corporativismo respeitador dos grupos naturais, assente numa utopia conversadora de ordem tradicional, em que a religião católica se fundia com a identidade nacional do Pais -, concedia efectivamente uma primazia aos valores espirituais, procurando limitar a acção do Estado pela moral católica” (Pinto 2008, 17).

Como já foi referido por diversas vezes neste blog, enquanto a Mensagem, resultado da “atitude negativa relativamente ao catolicismo” de Pessoa (Onésimso T. Almeida 2007, 207-208), é um poema de interpretação ocultista e simbólica de dimensão marcadamente esotérica (opondo-se assim ao cânones oficiais da Igreja), já a Romaria, do padre Vasco Reis, conta a história de um bolchevique que se converte ao catolicismo.

Influenciado pelo socialismo experimental de Proudhon, enaltecendo a revolução, tendo sido um dos fundadores do Partido Socialista Português, Antero é marcadamente anti-católico e politicamente afecto a um ideário liberal de esquerda centrado na ilustração, na tolerância e na liberdade de expressão. Num ensaio intitulado “O discurso anteriano e a questão laica na Quanta Cura de Pio IX” (Revista de História das Ideias, vol. 13, 1991) , Maria Fernanda Enes (da Universidade dos Açores), suportada pelos contributos de Joel Serrão sobre esta matéria, dá-nos conta do seguinte:

“Antero de Quental, com o seu escrito Defesa da Carta Encyclica de Sua Santyidade Pio IX contra a chamada opinião liberal – considerações sobre este documento publicado em Coimbra em 1865, inscreve-se no número de pensadores laicos que denunciam a Igreja Católica como instituição imóvel e estruturalmente oposta ao ideário liberal.

[...] No dizer de Joel Serrão, o pensamento sócio-político de Antero, por volta de 1865, ‘é caracterizável pelo republicanismo, pelo anarquismo, pelo ateísmo e sobretudo ele é cimentado pela aspiração de justiça’. [...] Em 1862 em A Indiferença em politica ao condenar a reacção cristalizada na vaga missionária, então denominada de jesuística, afirmava já que a liberdade é a ‘primeira condição de toda a moral e de toda a justiça’. 1862 é também a data da publicação do artigo Questão Romana. Aí afirma o confronto entre o passado e o presente, a antiga e nova ordem, que nela se verifica: ‘é o pleito entre o obscurantismo, a intolerância e a tirania, universais inimigos do homem, e a ilustração, a tolerância e a liberdade’.”

Na imagem: manuscrito do “Soneto Redenção” de Antero de Quental
Link da obra de Antero de Quental digitalizada na Biblioteca Nacional (BN) aqui 
Nome

argumentos autor bookcase competição concurso declaracao direitos escrita ficha de inscricao Figueira Film Art materia mente Poesia de segunda categoria
false
ltr
item
Bookcase: Sobre o nome do Prémio de Poesia (Antero de Quental) do SPN: um outro paradoxo?
Sobre o nome do Prémio de Poesia (Antero de Quental) do SPN: um outro paradoxo?
http://3.bp.blogspot.com/-rFD15N320xE/T47oCkLMMvI/AAAAAAAAAMM/dE-Ow4mnVmE/s320/Soneto+de+Antero+de+Quental.jpg
http://3.bp.blogspot.com/-rFD15N320xE/T47oCkLMMvI/AAAAAAAAAMM/dE-Ow4mnVmE/s72-c/Soneto+de+Antero+de+Quental.jpg
Bookcase
http://www.bookcase.pt/2012/04/sobre-o-nome-do-premio-de-poesia-antero.html
http://www.bookcase.pt/
http://www.bookcase.pt/
http://www.bookcase.pt/2012/04/sobre-o-nome-do-premio-de-poesia-antero.html
true
1755842811586539987
UTF-8
Not found any posts VIEW ALL Readmore Reply Cancel reply Delete By Home PAGES POSTS View All RECOMMENDED FOR YOU LABEL ARCHIVE SEARCH Not found any post match with your request Back Home Sunday Monday Tuesday Wednesday Thursday Friday Saturday Sun Mon Tue Wed Thu Fri Sat January February March April May June July August September October November December Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec just now 1 minute ago $$1$$ minutes ago 1 hour ago $$1$$ hours ago Yesterday $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago more than 5 weeks ago