Archive Pages Design$type=blogging

Os perigos da edição de uma obra fragmentada

Steffen Dix e Jerónimo Pizarro, os editores do livro A Arca de Pessoa  (2007), chamam-nos a atenção para um perigo.


Steffen Dix e Jerónimo Pizarro, os editores do livro A Arca de Pessoa (2007), chamam-nos a atenção para um perigo.


No exacto momento em que a obra de Fernando Pessoa caiu no domínio público, a par da positiva publicação independente dos escritos pessoanos “do ponto de vista da circulação livre das informações e dos conhecimentos”, o fantasma da edição demasiadamente dirigida, potencialmente extrapoladora (como aconteceu com Friedrich Nietzsche, cuja primeira organização e transcrição marcadamente tendenciosa - dos seus aforismos ou trechos, que deram corpo ao volume A Vontade de Poder, feita por alguém admirador de Hitler que nunca escondeu as suas tendencias anti-semitas, a converteu rapidamente numa obra de referência para a propaganda do fascismo alemão), é uma ameaça real no caso do poeta português, em razão de ele não ter deixado para a posteridade propriamente livros acabados, mas sim, um pouco como o citado filosofo alemão, “milhares de fragmentos, planos, esboços ou projectos.”


Tal como fizemos referência num post anterior, esse é já em boa medida o posicionamento de Alfredo Margarido quando, no período imediatamernte sequente ao do 25 de Abril, após uma então recente publicação de textos inéditos de Pessoa, discorda com a tentativa de alguns autores de converterem Fernando Pessoa num “poeta democrático”  [texto integral aqui])

Um conjunto de áreas de investigação menos exploradas, como as da sociologia ou da ciência politica, têm vindo a emergir para além da perspectiva estritamente literária, com contributos de resoluta pertinência e actualidade no campo dos estudos pessoanos. Ao mesmo tempo porém, tal como tão bem nos advertem Dix e Pizarro, “são precisamente os célebres contrastes ou as aparentes contradições em Pessoa que oferecem múltiplas possibilidades a vários grupos para usarem a obra dele em benefício das próprias opções politicas, religiosas, éticas ou estéticas.”

Na imagem: capa do livro A Arca de Pessoa (org. Steffen Dix e Jerónimo Pizarro), Lisboa, ICS, 2007.
Nome

argumentos autor bookcase competição concurso declaracao direitos escrita ficha de inscricao Figueira Film Art materia mente Poesia de segunda categoria
false
ltr
item
Bookcase: Os perigos da edição de uma obra fragmentada
Os perigos da edição de uma obra fragmentada
http://1.bp.blogspot.com/-Y0k9KWCV8kI/T6zyvSmp3mI/AAAAAAAAAN4/r-gd3sHx4h8/s320/arca-de-pessoa.jpg
http://1.bp.blogspot.com/-Y0k9KWCV8kI/T6zyvSmp3mI/AAAAAAAAAN4/r-gd3sHx4h8/s72-c/arca-de-pessoa.jpg
Bookcase
http://www.bookcase.pt/2012/05/o-dominio-publico-de-uma-obra.html
http://www.bookcase.pt/
http://www.bookcase.pt/
http://www.bookcase.pt/2012/05/o-dominio-publico-de-uma-obra.html
true
1755842811586539987
UTF-8
Not found any posts VIEW ALL Readmore Reply Cancel reply Delete By Home PAGES POSTS View All RECOMMENDED FOR YOU LABEL ARCHIVE SEARCH Not found any post match with your request Back Home Sunday Monday Tuesday Wednesday Thursday Friday Saturday Sun Mon Tue Wed Thu Fri Sat January February March April May June July August September October November December Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec just now 1 minute ago $$1$$ minutes ago 1 hour ago $$1$$ hours ago Yesterday $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago more than 5 weeks ago