Archive Pages Design$type=blogging

Fernando Pessoa e a escravatura

Não obstante ter ficado demonstrado, do ponto de vista ideológico e das suas convicções politicas, que Fernando Pessoa era um livre-pe...



Não obstante ter ficado demonstrado, do ponto de vista ideológico e das suas convicções politicas, que Fernando Pessoa era um livre-pensador liberal (ver José Barreto), o poeta não deixa de ser um elitista que desprezava os operários e defendia a escravatura. Um muito interessante texto da autoria de Richard Zenith refere-se directamente a esse assunto:

Fernando Pessoa, sem pudor e sem remorso, era um elitista. Era-o política, sociológica e literariamente. Claro que há elitistas e elitistas... Desde que os ideais de liberté, egalité, fraternité, começaram a expandir-se no século XVIII, houve quem achasse, como Voltaire, que a noção de igualdade entre os homens era uma quimera, apenas se podendo, e devendo, defender uma igualdade de direitos. Nem isto Pessoa defenda. “Para que serve a liberdade às plebes?”, pergunta Ricardo Reis (Ricardo Reis/Prosa, 2003, pp. 128-129) [...] Tanto Reis como António Mora [...] defendem a instituição da escravatura na Antiguidade (ibid., p. 125; Obras de António Mora, 2002, p. 261) e a existência, modernamente, de uma classe “económica de compelidos ao trabalho quotidiano e manual” (Ricardo Reis/Prosa, 2003, p. 128). Álvaro de Campos, depois de ter proposto, no Ultimatum, a dominação da humanidade por um pequeno número de “super-homens”, explica numa “entrevista” que os operários, os quais “são todos uns idiotas”, deveriam ser “reduzidos a uma condição de escravatura ainda mais intensa e rígida que aquilo a que eles chamam a ‘escravatura’ capitalista” (Páginas Íntimas e de Auto-Interpretação, 1966, pp. 419 e 423). 
[...] Atitudes heteronímicas? Não só. Num artigo publicado em 1919 (A Opinião Pública), Pessoa mostra-se favorável à aristocracia e à escravidão das democracias antigas, que assim ficaram ‘vacinadas’ contra um ‘grande número de doenças sociais’, e num texto para um ensaio sobre a conveniência do imperialismo para a não escreveu: ‘ A escravatura é lógica e legítima; um zulo ou um ladim não representa coisa alguma de útil neste mundo’ (Sobre Portugal, 1979, pp. 216-217). Um outro texto ortónimo explica-nos por que razão ‘uma pedra é mais interessante que um operário’ (Escritos Autobiográficos, Automáticos e de Reflexão Pessoal, 2003, p. 374).

Richard Zenith, “O barbeiro, a costureira, o moço de fretes e o gato”, in in A Arca de Pessoa (org. Steffen Dix e Jerónimo Pizarro), Lisboa, ICS, 2007, pp. 295-296.

Na imagem: Fernando Pessoa (interpretado por Rui Mário) e Álvaro de Campos (interpretado por André Gago). Cena do filme “Poesia de Segunda Categoria”

Nome

argumentos autor bookcase competição concurso declaracao direitos escrita ficha de inscricao Figueira Film Art materia mente Poesia de segunda categoria
false
ltr
item
Bookcase: Fernando Pessoa e a escravatura
Fernando Pessoa e a escravatura
http://2.bp.blogspot.com/-4b4VGRKYocs/T-mvk1a-YTI/AAAAAAAAAPA/EoiisUzDhtg/s320/+7+Quarto+Pessoa+2.jpg
http://2.bp.blogspot.com/-4b4VGRKYocs/T-mvk1a-YTI/AAAAAAAAAPA/EoiisUzDhtg/s72-c/+7+Quarto+Pessoa+2.jpg
Bookcase
http://www.bookcase.pt/2012/06/fernando-pessoa-era-favor-da.html
http://www.bookcase.pt/
http://www.bookcase.pt/
http://www.bookcase.pt/2012/06/fernando-pessoa-era-favor-da.html
true
1755842811586539987
UTF-8
Not found any posts VIEW ALL Readmore Reply Cancel reply Delete By Home PAGES POSTS View All RECOMMENDED FOR YOU LABEL ARCHIVE SEARCH Not found any post match with your request Back Home Sunday Monday Tuesday Wednesday Thursday Friday Saturday Sun Mon Tue Wed Thu Fri Sat January February March April May June July August September October November December Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec just now 1 minute ago $$1$$ minutes ago 1 hour ago $$1$$ hours ago Yesterday $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago more than 5 weeks ago