Archive Pages Design$type=blogging

Afinal, Fernando Pessoa, é D. Sebastião

O anúncio de Fernando Pessoa como D. Sebastião não é, de todo, um delírio forçado, mas uma ideia que emerge das próprias palavras do poet...


O anúncio de Fernando Pessoa como D. Sebastião não é, de todo, um delírio forçado, mas uma ideia que emerge das próprias palavras do poeta. Um passagem de um ensaio assinado por Ana Maria Albuquerque Binet, dá-nos conta disso mesmo:

 “A vontade de envolver a personagem de D. Sebastião nas brumas de um mistério espesso é patente, como se pode ver no seguinte trecho, um dos muitos fragmentos encontrados no espólio e ligados à figura do Encoberto:

O que seja propriamente o sebastianismo – hoje mais vigoroso que nunca, na assombrosa sociedade secreta que o transmite, cada vez mais ocultamente de geração em geração, guardando religiosamente o segredo do seu alto sentido simbólico e português, que pouco tem que ver com D. Sebastião que se diz ter morrido em África, e muito com o D. Sebastião que tem o número Kabalístico da Pátria Portuguesa – eis o que não é talvez permitido desvendar [Obra Poética e em Prosa III, 1986, pp. 654-655]

O tom e o vocabulário escolhidos, que sublinham voluntariamente um soi disant segredo cabalístico, digno de ser transformado num desses best-sellers que têm feito ultimamente a fortuna dos seus imaginativos autores, apontam-nos para uma postura lúdica, que não é exclusiva, bem entendido, do ‘alto sentido simbólico’ que Pessoa confere à personagem de D. Sebastião. Noutros textos, Pessoa refere-se a uma Ordem do Encoberto, em que D. Sebastião encarna simultaneamente a esperança, o símbolo, o Mestre, o Cristo (ibid., pp. 660 e 693). Ele é também o próprio Pessoa, como se sabe pelo texto, amplamente conhecido, que o poeta anuncia a volta de D. Sebastião como tendo sido prevista por Bandarra em 1888, data do seu próprio nascimento, acrescentando que em 1888 se deu em Portugal ‘o acontecimento mais importante da vida nacional desde as descobertas’ (Sobre Portugal, 1979, p. 183). Fascinante testemunho da megalomania dos tímidos...”

Ana Maria Albuquerque Binet, “A obra de Fernando Pessoa – uma galáxia de ‘esoterismos’?”, in A Arca de Pessoa (org. Steffen Dix e Jerónimo Pizarro), Lisboa, ICS, 2007, pp. 176-177.

Na imagem: Fernando Pessoa (interpretado por Rui Mário) no seu quarto. Cena do filme “Poesia de Segunda de Segunda Categoria”.
Nome

argumentos autor bookcase competição concurso declaracao direitos escrita ficha de inscricao Figueira Film Art materia mente Poesia de segunda categoria
false
ltr
item
Bookcase: Afinal, Fernando Pessoa, é D. Sebastião
Afinal, Fernando Pessoa, é D. Sebastião
http://2.bp.blogspot.com/-bQcvuPoZPUI/T7zTpVs0cDI/AAAAAAAAAOQ/DH7OtjgtPBQ/s320/Foto+Rui+Ma%CC%81rio.jpg
http://2.bp.blogspot.com/-bQcvuPoZPUI/T7zTpVs0cDI/AAAAAAAAAOQ/DH7OtjgtPBQ/s72-c/Foto+Rui+Ma%CC%81rio.jpg
Bookcase
http://www.bookcase.pt/2012/05/afinal-fernando-pessoa-e-ele-proprio-d.html
http://www.bookcase.pt/
http://www.bookcase.pt/
http://www.bookcase.pt/2012/05/afinal-fernando-pessoa-e-ele-proprio-d.html
true
1755842811586539987
UTF-8
Not found any posts VIEW ALL Readmore Reply Cancel reply Delete By Home PAGES POSTS View All RECOMMENDED FOR YOU LABEL ARCHIVE SEARCH Not found any post match with your request Back Home Sunday Monday Tuesday Wednesday Thursday Friday Saturday Sun Mon Tue Wed Thu Fri Sat January February March April May June July August September October November December Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec just now 1 minute ago $$1$$ minutes ago 1 hour ago $$1$$ hours ago Yesterday $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago more than 5 weeks ago