Avançar para o conteúdo principal

António Ferro queria fazer de Fernando Pessoa ‘um poeta do regime’

"Todo o processo que levou à publicação da ‘Mensagem’ pelo SPN parece ter sido orquestrado por António Ferro, figura de proa do regime Salazarista, com a conivência algum modo passiva de Fernando Pessoa.

Porquê? Porque Ferro tinha o óbvio interesse de ter Pessoa como um dos principais intelectuais do regime. Nada melhor do que ter o melhor poeta da época a escrever um livro de teor nacionalista, a que provavelmente mais tarde se seguiram outros.

Claro que o plano de Ferro não se concretizou – pela morte de Pessoa e também porque Pessoa nunca seria ‘um poeta do regime’, como comprovam vários textos que ficaram inéditos e que são agressivos em relação à pessoa (ou à figura) de Salazar e da censura estatal à livre expressão.”

Nuno Hipólito, “As Mensagens da Mensagem

Mensagens populares deste blogue

Uma análise de um poema da Mensagem

Entre os estudos mais interessantes (e importantes) recentemente publicados sobre a Mensagem de Fernando Pessoa, encontra-se o livro de Nuno Hipólito que leva o sugestivo título de “As Mensagens da Mensagem”, publicado originalmente em 2007. 
Tal como o autor explica no seu blog Um Fernando Pessoa, em razão do livro se encontrar actualmente esgotado nas livrarias, Hipólito decidiu disponibilizá-lo online, em PDF gratuito, numa versão actualizada.

A critica literária de Fernando Pessoa sobre a “Romaria”: elogio ou ironia?

A opinião de Fernando Pessoa sobre a obra e a figura de Vasco Reis não é pacífica. O autor da Mensagem escreveu mesmo sobre A Romaria, livro que tinha ficado à frente daquele no concurso do SPN de 1934. Mas enquanto que no website "Um Fernando Pessoa" se refere que esta “crítica, honesta e subtil, parece prova evidente de que [Pessoa] não guardara rancores do prémio que lhe fora a ele mesmo concedido”, já José Blanco, num ensaio intitulado “A verdade sobre a Mensagem” aponta para o sentido oposto:

O “sebastianismo racional” de Fernando Pessoa não é um paradoxo mas antes um cinismo pragmático.

"[...] como conciliou Pessoa o racionalismo livre-pensador da sua formação com a inclinação para as inúmeras doutrinas e práticas ocultistas que cultivou ou pelas quais se interessou? Uma tentação seria a de responder, simplesmente que Pessoa, com as suas personalidades múltiplas, era contraditório, paradoxal, que conviviam nele sem problema estas e outras antinomias.