Avançar para o conteúdo principal

Cecília Meireles em Portugal em finais de 1934: a admiração por Pessoa e a relação muito próxima com Fernanda de Castro


O comboio Lisboa-Porto sairia muito cedo, era preciso estar na gare das sete. Deixar o doce convívio com os amigos de Lisboa, interromper aqueles dias felizes, e partir rumo ao Norte. Fernando decidira que deveriam passar duas semanas junto à família dele, no casarão da Penajóia.

[...] A despedida havia sido na véspera. Em casa de Fernanda de Castro. Sim, na volta a Lisboa, para as conferências, gostaria de ter afinal um encontro com aquele poeta extraordinário que ainda não conseguira avistar: Fernando Pessoa. No Brasil, o marido lhe falara tanto sobre ele... E os poemas dele a que já conseguira ter acesso, publicados em algumas revistas portuguesas que recebiam em casa, haviam mostrado que Pessoa descobrira novos caminhos para a poesia.

[...]‘Não podemos nos demorar muito mais, deixamos três crianças num colégio’, avisara a Fernanda de Castro. Eram as filhas Maria Elvira, Maria Mathilde e Maria Fernanda, que, na ausência de parentes no Rio, haviam ficado em um Colégio de Copacabana. Contudo, a viagem de António Ferro à Itália e à Alemanha provocaria o adiamento das conferências para o segundo período da temporada em Lisboa. De facto, elas só puderam se realizar em Dezembro.”

GOUVÊA, Leila V. B., Cecília Em Portugal, Editora Iluminuras , 2001, p. 47.

Na imagem: Cecília Meireles


Mensagens populares deste blogue

Uma análise de um poema da Mensagem

Entre os estudos mais interessantes (e importantes) recentemente publicados sobre a Mensagem de Fernando Pessoa, encontra-se o livro de Nuno Hipólito que leva o sugestivo título de “As Mensagens da Mensagem”, publicado originalmente em 2007. 
Tal como o autor explica no seu blog Um Fernando Pessoa, em razão do livro se encontrar actualmente esgotado nas livrarias, Hipólito decidiu disponibilizá-lo online, em PDF gratuito, numa versão actualizada.

A critica literária de Fernando Pessoa sobre a “Romaria”: elogio ou ironia?

A opinião de Fernando Pessoa sobre a obra e a figura de Vasco Reis não é pacífica. O autor da Mensagem escreveu mesmo sobre A Romaria, livro que tinha ficado à frente daquele no concurso do SPN de 1934. Mas enquanto que no website "Um Fernando Pessoa" se refere que esta “crítica, honesta e subtil, parece prova evidente de que [Pessoa] não guardara rancores do prémio que lhe fora a ele mesmo concedido”, já José Blanco, num ensaio intitulado “A verdade sobre a Mensagem” aponta para o sentido oposto:

O “sebastianismo racional” de Fernando Pessoa não é um paradoxo mas antes um cinismo pragmático.

"[...] como conciliou Pessoa o racionalismo livre-pensador da sua formação com a inclinação para as inúmeras doutrinas e práticas ocultistas que cultivou ou pelas quais se interessou? Uma tentação seria a de responder, simplesmente que Pessoa, com as suas personalidades múltiplas, era contraditório, paradoxal, que conviviam nele sem problema estas e outras antinomias.