Avançar para o conteúdo principal

O posicionamento politico e ideológico de Cecília Meireles


“Diante da tragédia [o suicídio do seu marido, Fernando Correia Dias], os laços com os amigos portugueses estreitam-se ainda mais. Forma-se além-mar como um cerco de solidariedade. Era ‘como se fôssemos realmente toda uma família meio dispersa que o perigo reúne’, ela diria. Fernanda de Castro [esposa de António Ferro] escreve-lhe ‘muito aflita’, propondo publicar um livro seu em Portugal. José Osório menciona a possibilidade de ela dar aulas em Lisboa – convite que acabaria nunca aceitando, por discordar da tirania do regime salazarista.

[...] Com o advento da ditadura do Estado Novo (1937-45), a poeta sofre outro revês. A politica de Getúlio Vargas faz uma devassa no Centro de Cultura Infantil do Pavilhão Mourisco, inaugurado em 1934 por ela e Fernando, sob a suspeita de abrigar livros comunistas. Uma dupla violência para quem, embora progressista e democrata, sempre fora céptica demais para aderir a um partido politico, excessivamente espiritualista para deixar-se atrair pelo marxismo. A repressão getulista apreende livros (inclusive o ‘subversivo’ As aventuras de Tom Sawyer, de Mark Twain), quebra objectos, entre os quais algumas das cerâmicas de inspiração marajoara criadas por Fernando Correia Dias.”

Leila V. B. Gouvêa, Cecília Em Portugal, Editora Iluminuras, 2001, pp. 79-80.

Na imagem: Cecília Meireles

Mensagens populares deste blogue

Uma análise de um poema da Mensagem

Entre os estudos mais interessantes (e importantes) recentemente publicados sobre a Mensagem de Fernando Pessoa, encontra-se o livro de Nuno Hipólito que leva o sugestivo título de “As Mensagens da Mensagem”, publicado originalmente em 2007. 
Tal como o autor explica no seu blog Um Fernando Pessoa, em razão do livro se encontrar actualmente esgotado nas livrarias, Hipólito decidiu disponibilizá-lo online, em PDF gratuito, numa versão actualizada.

A critica literária de Fernando Pessoa sobre a “Romaria”: elogio ou ironia?

A opinião de Fernando Pessoa sobre a obra e a figura de Vasco Reis não é pacífica. O autor da Mensagem escreveu mesmo sobre A Romaria, livro que tinha ficado à frente daquele no concurso do SPN de 1934. Mas enquanto que no website "Um Fernando Pessoa" se refere que esta “crítica, honesta e subtil, parece prova evidente de que [Pessoa] não guardara rancores do prémio que lhe fora a ele mesmo concedido”, já José Blanco, num ensaio intitulado “A verdade sobre a Mensagem” aponta para o sentido oposto:

O “sebastianismo racional” de Fernando Pessoa não é um paradoxo mas antes um cinismo pragmático.

"[...] como conciliou Pessoa o racionalismo livre-pensador da sua formação com a inclinação para as inúmeras doutrinas e práticas ocultistas que cultivou ou pelas quais se interessou? Uma tentação seria a de responder, simplesmente que Pessoa, com as suas personalidades múltiplas, era contraditório, paradoxal, que conviviam nele sem problema estas e outras antinomias.