Avançar para o conteúdo principal

A interpretação ‘ocultista’ da História portuguesa terá arredado a Mensagem do prémio de “primeira categoria” do SPN

Em 1924, uma nova revista: Atena. Dura apenas cinco números. Nunca são boas as segundas séries. Na realidade, Atena é uma ponte entre Orpheu e os jovens da Presença (1927). Cada geração escolhe, ao aparecer, a sua tradição. O novo grupo descobre Pessoa: por fim encontrou interlocutores. Demasiado tarde, como sempre. Pouco tempo depois, um ano antes da sua morte, ocorre o grotesco incidente do prémio de poesia do Secretariado de Propaganda Nacional. O tema, claro está, era um canto às glórias da Nação e do Império. Pessoa envia a Mensagem , poemas que são uma interpretação ‘ocultista’ e simbólica da História portuguesa. O livro deve ter deixado perplexos os funcionários encarregados do concurso. Deram-lhe um prémio de ‘segunda categoria’. Foi a sua última experiência literária.

PAZ, Octávio (1961), in Fernando Pessoa, o Desconhecido de Si Mesmo. – Lisboa: Vega, 1992 (2.ª edição), pp. 15-16.


Mensagens populares deste blogue

Uma análise de um poema da Mensagem

Entre os estudos mais interessantes (e importantes) recentemente publicados sobre a Mensagem de Fernando Pessoa, encontra-se o livro de Nuno Hipólito que leva o sugestivo título de “As Mensagens da Mensagem”, publicado originalmente em 2007. 
Tal como o autor explica no seu blog Um Fernando Pessoa, em razão do livro se encontrar actualmente esgotado nas livrarias, Hipólito decidiu disponibilizá-lo online, em PDF gratuito, numa versão actualizada.

A critica literária de Fernando Pessoa sobre a “Romaria”: elogio ou ironia?

A opinião de Fernando Pessoa sobre a obra e a figura de Vasco Reis não é pacífica. O autor da Mensagem escreveu mesmo sobre A Romaria, livro que tinha ficado à frente daquele no concurso do SPN de 1934. Mas enquanto que no website "Um Fernando Pessoa" se refere que esta “crítica, honesta e subtil, parece prova evidente de que [Pessoa] não guardara rancores do prémio que lhe fora a ele mesmo concedido”, já José Blanco, num ensaio intitulado “A verdade sobre a Mensagem” aponta para o sentido oposto:

O lendário “não-encontro” entre Cecília Meireles e Fernando Pessoa numa noite lisboeta de 1934

“Fato é que Cecília quis conhecer Pessoa e um encontro foi marcado, provavelmente no café A Brasileira, no Chiado. Pessoa não apareceu. Após duas horas de espera, o marido achou melhor desistir. No livro Cecília em Portugal, Leila Gouvêa imagina o seguinte diálogo entre o casal:
Vamos, Cecília, ele não virá! – Podemos aguardar um pouco mais, quem sabe ocorreu um imprevisto... – Não, é perda de tempo. Eu o conheço bem. Se não veio até agora, não vem mais.[…] Muito já se especulou sobre as razões de Pessoa. Prosperou a versão pouco fiável de que a principal delas era de ordem transcendental: os astros o teriam dissuadido de comparecer ao encontro. Heitor Grilo, o segundo marido de Cecília, teria difundido essa história depois da morte dela em 1964. A própria Cecília não contribuiu muito para esclarecer o episódio. Apenas, numa carta a Armando Cortes Rodrigues, escreveu em 1944: ‘Como lamento não o ter conhecido!’ E, mais tarde, numa crônica, dirigiu-se ao próprio Pessoa nestes termos: ‘M…