Avançar para o conteúdo principal

O repúdio de Pessoa ao discurso de Salazar proferido na entrega dos prémios literários do SPN - Pessoa´s rejection of Salazar's speech


Esta terceira fase da Ditadura, Senhor Presidente [Óscar Carmona], começou por afirmar-se no integralismo monárquico disfarçado de Estado Novo, continuou afirmando-se no integralismo, já menos disfarçado, do chamado Estado Corporativo, e acabou com afundar-se nos últimos arrancos do Prof. Salazar, e nomeadamente na segunda parte do Prefácio aos seus Discursos *, por integralmente integral, isto é, francamente inimigo de duas coisas – da dignidade do Homem e da liberdade do Espírito.

Com efeito, na citada segunda parte do citado Prefácio, parte essa de que o principal e essencial politico foi dito ou lido numa sessão pública, da entrega de Prémios, no Secretariado de Propaganda Nacional, diz-se aos escritores que têm eles que obedecer a certas directrizes. Até aqui a Ditadura não tinha tido o impudor de, renegando toda a verdadeira politica do espírito – isto é, o pôr o espírito acima da política** - vir intimar quem pensa a que pense pela cabeça do Estado, que a não tem, ou de vir intimar a quem trabalha a que trabalhe livremente como lhe mandam.


This third phase of the Dictatorship, Mr. President, began by asserting itself in monarchical integralism disguised as the New State, and continues by asserting itself in the so-called Corporative State integralism, though less disguised, and then asserts itself eventually, in Prof. Salazar's latest leaps forward, especially in the second half of the Preface to his Speeches, as integrally integral, that is to say, now unequivocally the enemy of two things--the dignity of Man and freedom of Expression.

In effect, in the afore-mentioned second half of the afore-mentioned Preface, the part in which the principal and essential political message was voiced or read out at a public gathering at the SPN [National Propaganda Secretariat] in which prizes were awarded, writers were told that they had to abide by certain directives. Hitherto the Dictatorship has not had the impudence, forsaking all true policy of spirit--that is to say, placing the spirit above politics--to intimate to those who think that they should think through the head of the government, which doesn't have one, and to intimate to those who work that they must now work freely as they are ordered.

* Nota 8 (do editor), página 476: “Salazar acabara de escrever o prefácio aos seus Discursos em 17/2/1935, cinco dias antes da entrega dos prémios, tendo aproveitado a ocasião para ler passagens do seu texto, ainda inédito. O período do prefácio a que Pessoa se refere, nesta e na carta anterior reza assim: ‘Os princípios morais e patrióticos que estão na base deste movimento reformador impõem à actividade mental e às produções da inteligência e sensibilidade dos Portugueses certas limitações, e supondo deverem mesmo traçar-lhes algumas directrizes’”.

** Nota 9 (do editor), pág. 476: “Assim, Pessoa parece rejeitar, por hipócrita, a chamada ‘política do espírito’ preconizada por António Ferro.”


PESSOA, Fernando, carta ao Presidente da República, [1935], in ZENITH, Richard (ed.), Obra Essencial de Fernando Pessoa. Cartas, Círculo de Leitores, 2007, pp. 433-434.

Tradução integral para Inglês, disponível aqui.

Mensagens populares deste blogue

Uma análise de um poema da Mensagem

Entre os estudos mais interessantes (e importantes) recentemente publicados sobre a Mensagem de Fernando Pessoa, encontra-se o livro de Nuno Hipólito que leva o sugestivo título de “As Mensagens da Mensagem”, publicado originalmente em 2007. 
Tal como o autor explica no seu blog Um Fernando Pessoa, em razão do livro se encontrar actualmente esgotado nas livrarias, Hipólito decidiu disponibilizá-lo online, em PDF gratuito, numa versão actualizada.

A critica literária de Fernando Pessoa sobre a “Romaria”: elogio ou ironia?

A opinião de Fernando Pessoa sobre a obra e a figura de Vasco Reis não é pacífica. O autor da Mensagem escreveu mesmo sobre A Romaria, livro que tinha ficado à frente daquele no concurso do SPN de 1934. Mas enquanto que no website "Um Fernando Pessoa" se refere que esta “crítica, honesta e subtil, parece prova evidente de que [Pessoa] não guardara rancores do prémio que lhe fora a ele mesmo concedido”, já José Blanco, num ensaio intitulado “A verdade sobre a Mensagem” aponta para o sentido oposto:

O lendário “não-encontro” entre Cecília Meireles e Fernando Pessoa numa noite lisboeta de 1934

“Fato é que Cecília quis conhecer Pessoa e um encontro foi marcado, provavelmente no café A Brasileira, no Chiado. Pessoa não apareceu. Após duas horas de espera, o marido achou melhor desistir. No livro Cecília em Portugal, Leila Gouvêa imagina o seguinte diálogo entre o casal:
Vamos, Cecília, ele não virá! – Podemos aguardar um pouco mais, quem sabe ocorreu um imprevisto... – Não, é perda de tempo. Eu o conheço bem. Se não veio até agora, não vem mais.[…] Muito já se especulou sobre as razões de Pessoa. Prosperou a versão pouco fiável de que a principal delas era de ordem transcendental: os astros o teriam dissuadido de comparecer ao encontro. Heitor Grilo, o segundo marido de Cecília, teria difundido essa história depois da morte dela em 1964. A própria Cecília não contribuiu muito para esclarecer o episódio. Apenas, numa carta a Armando Cortes Rodrigues, escreveu em 1944: ‘Como lamento não o ter conhecido!’ E, mais tarde, numa crônica, dirigiu-se ao próprio Pessoa nestes termos: ‘M…