Avançar para o conteúdo principal

Fernando Pessoa enquanto "sebastianista racionalista", em oposição aos “Sebastianistas literais”


“Regressando especificamente ao meu tema, a Mensagem, o sebastianismo racionalista foi uma dessas convicções que nunca abandonou. O próprio Pessoa o disse até ao fim. Se assim não fosse, nunca teria enviado o livro a um concurso. Deixou-o bem claro na conhecida carta a Adolfo Casais Monteiro e em entrevista sobre o livro premiado, certamente a sua última: ‘Quis marcar o destino imperial de Portugal, esse império que perpassou através de D. Sebastião, e que continua, ‘há-de ser’’” (Critica, Ensaios, Artigos e Entrevistas, 1999, p. 497). Faltava-lhe, porém, a vontade – amarrava-o a famigerada emoção desinteressada – e que não acreditava mais nas suas concepções quiçá ingénuas do poder da poesia e da capacidade de Portugal mudar.
É de novo ele que o afirma: ‘Lamento que houvesse perdido tempo relendo qualquer dos meus artigos do tempo de A Águia. São episódios, talvez curiosos psicologicamente, da minha adolescência intelectual. Mantenho o ‘optimismo’ em que assentam; porém, hoje não daria a esse optimismo igual pensamento nem aquela expressão’’ (carta a Francisco Costa de 10 de Agosto e 1925; Correspondência 1923-1935, 1999, p. 83).
Caso existam dúvidas sobre o significado desse ‘optimismo’, encontraríamos de novo a explicação fornecida pelo próprio Pessoa, desta vez numa carta ao director do Jornal do Comercio protestando por num artigo de Augusto da Costa ter saído gralhada a expressão ‘Sebastianistas liberais’ na transcrição de um escrito de poeta:

Não escrevi liberais , escrevi literais . E, como é de ver, com esta palavra literais pretendi designar aqueles Sebastianistas que tomaram à letra o regresso profetizado de El-rei D. Sebastião, Nosso senhor; que enganadamente supunham pessoal e carnal esse Regresso. Implicitamente os opus àqueles outros Sebastianistas que, como Augusto da Costa e eu, esperamos e confiamos nesse Regresso no seu alto sentido simbólico, que é o verdadeiro. [Correspondência 1923-1935, 1999. p. 134].”

- ALMEIDA, Onésimo T. , “Mensagem – uma revisitação”, in A Arca de Pessoa (org. Steffen Dix e Jerónimo Pizarro), Lisboa, ICS, 2007, pp. 213-214.

Na imagem: um plano no filme “Poesia de Segunda Categoria”

Mensagens populares deste blogue

Uma análise de um poema da Mensagem

Entre os estudos mais interessantes (e importantes) recentemente publicados sobre a Mensagem de Fernando Pessoa, encontra-se o livro de Nuno Hipólito que leva o sugestivo título de “As Mensagens da Mensagem”, publicado originalmente em 2007. 
Tal como o autor explica no seu blog Um Fernando Pessoa, em razão do livro se encontrar actualmente esgotado nas livrarias, Hipólito decidiu disponibilizá-lo online, em PDF gratuito, numa versão actualizada.

A critica literária de Fernando Pessoa sobre a “Romaria”: elogio ou ironia?

A opinião de Fernando Pessoa sobre a obra e a figura de Vasco Reis não é pacífica. O autor da Mensagem escreveu mesmo sobre A Romaria, livro que tinha ficado à frente daquele no concurso do SPN de 1934. Mas enquanto que no website "Um Fernando Pessoa" se refere que esta “crítica, honesta e subtil, parece prova evidente de que [Pessoa] não guardara rancores do prémio que lhe fora a ele mesmo concedido”, já José Blanco, num ensaio intitulado “A verdade sobre a Mensagem” aponta para o sentido oposto:

O lendário “não-encontro” entre Cecília Meireles e Fernando Pessoa numa noite lisboeta de 1934

“Fato é que Cecília quis conhecer Pessoa e um encontro foi marcado, provavelmente no café A Brasileira, no Chiado. Pessoa não apareceu. Após duas horas de espera, o marido achou melhor desistir. No livro Cecília em Portugal, Leila Gouvêa imagina o seguinte diálogo entre o casal:
Vamos, Cecília, ele não virá! – Podemos aguardar um pouco mais, quem sabe ocorreu um imprevisto... – Não, é perda de tempo. Eu o conheço bem. Se não veio até agora, não vem mais.[…] Muito já se especulou sobre as razões de Pessoa. Prosperou a versão pouco fiável de que a principal delas era de ordem transcendental: os astros o teriam dissuadido de comparecer ao encontro. Heitor Grilo, o segundo marido de Cecília, teria difundido essa história depois da morte dela em 1964. A própria Cecília não contribuiu muito para esclarecer o episódio. Apenas, numa carta a Armando Cortes Rodrigues, escreveu em 1944: ‘Como lamento não o ter conhecido!’ E, mais tarde, numa crônica, dirigiu-se ao próprio Pessoa nestes termos: ‘M…