Avançar para o conteúdo principal

Fernando Pessoa: adepto do fascismo ou livre-pensador liberal?


"Apesar da expressão ‘livre-pensamento’ se ter desprestigiado durante a I República em Portugal, creio ser perfeitamente adequado o qualificativo livre-pensador aplicado a Fernando Pessoa ao longo de toda a vida adulta. Em primeiro lugar, no sentido mais amplo e correcto do termo, isto é, o de alguém que formou sempre as suas opiniões e posições independentemente da tradição, da autoridade, das crenças estabelecidas, dos preconceitos ou de qualquer instância comprometedora do livre exercício do pensamento. Mas creio que Pessoa foi talvez um livre-pensador num sentido que andou quase sempre colado ao outro em Portugal, em Inglaterra, em França e em muito outros países, ou seja, no sentido de alguém convicto de que o avanço da humanidade nos planos civilizacional, cultural e, inclusive, no plano espiritual implicaria, ou tinha como condição prévia, uma perda do poder de controlo sobre as consciências e sobre a vida pública por parte do cristianismo (em Portugal, por parte da Igreja Católica).
[...] a fidelidade que o liberal Fernando Pessoa manteve ao livre-pensamento da sua juventude a até a um certo radicalismo liberal no domínio das ideias deve contribuir para explicar por que é que as influências que sofreu de outras proveniências ao longo da sua vida – como, por exemplo, Odes aos ditadores Sidónio Pais e Primo de Rivera – não o conduziram fatalmente, nos anos 1920 e 1930, em direcção aos autoritarismo em voga, à idolatria do Estado, ao fascismo ou ao salazarismo – como parecia que lhe estava destinado e como aconteceu com outros nas suas condições no mesmo período.”

BARRETO, José, “Fernando Pessoa racionalista, livre-pensador e individualista: a influência liberal inglesa”, in A Arca de Pessoa (org. Steffen Dix e Jerónimo Pizarro), Lisboa, ICS, 2007, p. 121.

Na imagem: Fernando Pessoa interpretado por Rui Mário no filme “Poesia de Segunda Categoria”

Mensagens populares deste blogue

Uma análise de um poema da Mensagem

Entre os estudos mais interessantes (e importantes) recentemente publicados sobre a Mensagem de Fernando Pessoa, encontra-se o livro de Nuno Hipólito que leva o sugestivo título de “As Mensagens da Mensagem”, publicado originalmente em 2007. 
Tal como o autor explica no seu blog Um Fernando Pessoa, em razão do livro se encontrar actualmente esgotado nas livrarias, Hipólito decidiu disponibilizá-lo online, em PDF gratuito, numa versão actualizada.

A critica literária de Fernando Pessoa sobre a “Romaria”: elogio ou ironia?

A opinião de Fernando Pessoa sobre a obra e a figura de Vasco Reis não é pacífica. O autor da Mensagem escreveu mesmo sobre A Romaria, livro que tinha ficado à frente daquele no concurso do SPN de 1934. Mas enquanto que no website "Um Fernando Pessoa" se refere que esta “crítica, honesta e subtil, parece prova evidente de que [Pessoa] não guardara rancores do prémio que lhe fora a ele mesmo concedido”, já José Blanco, num ensaio intitulado “A verdade sobre a Mensagem” aponta para o sentido oposto:

O lendário “não-encontro” entre Cecília Meireles e Fernando Pessoa numa noite lisboeta de 1934

“Fato é que Cecília quis conhecer Pessoa e um encontro foi marcado, provavelmente no café A Brasileira, no Chiado. Pessoa não apareceu. Após duas horas de espera, o marido achou melhor desistir. No livro Cecília em Portugal, Leila Gouvêa imagina o seguinte diálogo entre o casal:
Vamos, Cecília, ele não virá! – Podemos aguardar um pouco mais, quem sabe ocorreu um imprevisto... – Não, é perda de tempo. Eu o conheço bem. Se não veio até agora, não vem mais.[…] Muito já se especulou sobre as razões de Pessoa. Prosperou a versão pouco fiável de que a principal delas era de ordem transcendental: os astros o teriam dissuadido de comparecer ao encontro. Heitor Grilo, o segundo marido de Cecília, teria difundido essa história depois da morte dela em 1964. A própria Cecília não contribuiu muito para esclarecer o episódio. Apenas, numa carta a Armando Cortes Rodrigues, escreveu em 1944: ‘Como lamento não o ter conhecido!’ E, mais tarde, numa crônica, dirigiu-se ao próprio Pessoa nestes termos: ‘M…