Avançar para o conteúdo principal

O “sebastianismo racional” de Fernando Pessoa não é um paradoxo mas antes um cinismo pragmático.


"[...] como conciliou Pessoa o racionalismo livre-pensador da sua formação com a inclinação para as inúmeras doutrinas e práticas ocultistas que cultivou ou pelas quais se interessou? Uma tentação seria a de responder, simplesmente que Pessoa, com as suas personalidades múltiplas, era contraditório, paradoxal, que conviviam nele sem problema estas e outras antinomias.
Por exemplo, quando Pessoa, em 1935, se confessava (a Adolfo Casais Monteiro) ‘sebastianista racional’, ou quando inventou a fórmula presidente-rei, ou quando se dizia monárquico adepto de uma monarquia não hereditária, etc., estaria a ser contraditório e paradoxal, o que o tornaria politica e filosoficamente inclassificável, ou não situável no domínio referencial, como sustentou José Augusto Seabra (1977).
Na minha opinião, [...] nenhuma das referidas fórmulas inventadas por Pessoa era contraditória ou paradoxal (como queria J. A. Seabra), senão na aparência. Eram figuras de estilo, fórmulas provocatórias, sim, mas com um sentido lógico muito preciso, para cujo esclarecimento Pessoa fornecia sempre os elementos suficientes. Para a compreensão do que fosse, por exemplo, um ‘sebastianismo racional’ é preciso ler o que Pessoa afirmou em 1926 a um jornal de Lisboa sobre a criação de um grande mito nacional, ainda que baseado numa mentira, como meio prático de ‘levantar a moral de uma nação’. Se o mito ou sonho sebastianista assim criado fosse transformado com êxito num imaginário activo, numa atmosfera mobilizadora das vontades e das inteligências da nação, a mentira estaria transformada em ‘verdade’. É apenas isto o ‘sebastianismo racional’ de Pessoa, completamente livre de contradição lógica, pois constrói mitos para o povo porque conhece o efeito de atracção que os factores irracionais exercem sobre a plebe, que, alegadamente, os prefere à verdade."
- BARRETO, José, “Fernando Pessoa racionalista, livre-pensador e individualista: a influência liberal inglesa”, in A Arca de Pessoa (org. Steffen Dix e Jerónimo Pizarro), Lisboa, ICS, 2007, p. 119-120.

Na imagem: Fernando Pessoa interpretado por Rui Mário no filme “Poesia de Segunda Categoria”

Mensagens populares deste blogue

Uma análise de um poema da Mensagem

Entre os estudos mais interessantes (e importantes) recentemente publicados sobre a Mensagem de Fernando Pessoa, encontra-se o livro de Nuno Hipólito que leva o sugestivo título de “As Mensagens da Mensagem”, publicado originalmente em 2007. 
Tal como o autor explica no seu blog Um Fernando Pessoa, em razão do livro se encontrar actualmente esgotado nas livrarias, Hipólito decidiu disponibilizá-lo online, em PDF gratuito, numa versão actualizada.

A critica literária de Fernando Pessoa sobre a “Romaria”: elogio ou ironia?

A opinião de Fernando Pessoa sobre a obra e a figura de Vasco Reis não é pacífica. O autor da Mensagem escreveu mesmo sobre A Romaria, livro que tinha ficado à frente daquele no concurso do SPN de 1934. Mas enquanto que no website "Um Fernando Pessoa" se refere que esta “crítica, honesta e subtil, parece prova evidente de que [Pessoa] não guardara rancores do prémio que lhe fora a ele mesmo concedido”, já José Blanco, num ensaio intitulado “A verdade sobre a Mensagem” aponta para o sentido oposto:

O lendário “não-encontro” entre Cecília Meireles e Fernando Pessoa numa noite lisboeta de 1934

“Fato é que Cecília quis conhecer Pessoa e um encontro foi marcado, provavelmente no café A Brasileira, no Chiado. Pessoa não apareceu. Após duas horas de espera, o marido achou melhor desistir. No livro Cecília em Portugal, Leila Gouvêa imagina o seguinte diálogo entre o casal:
Vamos, Cecília, ele não virá! – Podemos aguardar um pouco mais, quem sabe ocorreu um imprevisto... – Não, é perda de tempo. Eu o conheço bem. Se não veio até agora, não vem mais.[…] Muito já se especulou sobre as razões de Pessoa. Prosperou a versão pouco fiável de que a principal delas era de ordem transcendental: os astros o teriam dissuadido de comparecer ao encontro. Heitor Grilo, o segundo marido de Cecília, teria difundido essa história depois da morte dela em 1964. A própria Cecília não contribuiu muito para esclarecer o episódio. Apenas, numa carta a Armando Cortes Rodrigues, escreveu em 1944: ‘Como lamento não o ter conhecido!’ E, mais tarde, numa crônica, dirigiu-se ao próprio Pessoa nestes termos: ‘M…