Avançar para o conteúdo principal

Alfredo Margarido: a adesão pública de Fernando Pessoa aos ideários ditatorial e colonialista


“[...] O primeiro [problema] diz respeito aos lugares de publicação escolhidos pelo poeta: na maior parte das vezes – ia escrever sempre, mas seria excessivo dizê-lo desta maneira sem provas complementares – em publicações da direita, frequentemente monárquicas, e, a partir de 1930, ligadas à defesa dos interesses e valores da ditadura.
Este facto condena naturalmente alguns argumentos apressados, que quiseram fazer de Fernando Pessoa um adversário da ditadura, e até em alguns casos um perfeito ‘democrata’* [6]. Não se podem avançar argumentos, neste campo particular, sem levar em linha de conta esta lógica de colaborações, que constitui não só uma prova de simpatia, mas algumas vezes uma afirmação de adesão pública.

[...] A segunda, reside no facto de provar que Fernando Pessoa não era indiferente ao ‘império colonial português’, como frequentemente se tem querido deduzir a partir de uma declaração um pouco ambígua, feita numa entrevista concedida a Augusto da Costa ** [7]. O carácter da revista, a sua orientação abertamente colonialista, associada ao facto de se tratar de uma publicação oficiosa, confirmam a importância desta adesão de Fernando Pessoa às teses colonialistas correntes no espaço português de então.”

* [Nota 6 do autor] Duas claras passagens claras a respeito da não-democracia de Fernando Pessoa ‘Pasmo hoje, com vergonha inútil (e por isso injusta) de quando admirei a democracia e nela cri, que quando julguei que valia a pena fazer um esforço para bem da entidade inexistente chamada o ‘povo’, etc.’ Carta a João Gaspar Gomes, de 11 de Dezembro de 1931, Obras em Prosa, Rio de Janeiro, Editora Nova Aguilar, 1976 (2.ª edição), p. 674. Não será possível, nesta nota, pôr em evidência o que aproxima Fernando Pessoa das ideias e das práticas das extremas-direitas europeias neste período da história. Ficará para outra ocasião.

MARGARIDO, Alfredo, “Um poema desconhecido”, in Revista Colóquio/Letras , n.º 85 (Mar. 1985), p. 36-44. [texto integral aqui]

Mensagens populares deste blogue

Uma análise de um poema da Mensagem

Entre os estudos mais interessantes (e importantes) recentemente publicados sobre a Mensagem de Fernando Pessoa, encontra-se o livro de Nuno Hipólito que leva o sugestivo título de “As Mensagens da Mensagem”, publicado originalmente em 2007. 
Tal como o autor explica no seu blog Um Fernando Pessoa, em razão do livro se encontrar actualmente esgotado nas livrarias, Hipólito decidiu disponibilizá-lo online, em PDF gratuito, numa versão actualizada.

A critica literária de Fernando Pessoa sobre a “Romaria”: elogio ou ironia?

A opinião de Fernando Pessoa sobre a obra e a figura de Vasco Reis não é pacífica. O autor da Mensagem escreveu mesmo sobre A Romaria, livro que tinha ficado à frente daquele no concurso do SPN de 1934. Mas enquanto que no website "Um Fernando Pessoa" se refere que esta “crítica, honesta e subtil, parece prova evidente de que [Pessoa] não guardara rancores do prémio que lhe fora a ele mesmo concedido”, já José Blanco, num ensaio intitulado “A verdade sobre a Mensagem” aponta para o sentido oposto:

O lendário “não-encontro” entre Cecília Meireles e Fernando Pessoa numa noite lisboeta de 1934

“Fato é que Cecília quis conhecer Pessoa e um encontro foi marcado, provavelmente no café A Brasileira, no Chiado. Pessoa não apareceu. Após duas horas de espera, o marido achou melhor desistir. No livro Cecília em Portugal, Leila Gouvêa imagina o seguinte diálogo entre o casal:
Vamos, Cecília, ele não virá! – Podemos aguardar um pouco mais, quem sabe ocorreu um imprevisto... – Não, é perda de tempo. Eu o conheço bem. Se não veio até agora, não vem mais.[…] Muito já se especulou sobre as razões de Pessoa. Prosperou a versão pouco fiável de que a principal delas era de ordem transcendental: os astros o teriam dissuadido de comparecer ao encontro. Heitor Grilo, o segundo marido de Cecília, teria difundido essa história depois da morte dela em 1964. A própria Cecília não contribuiu muito para esclarecer o episódio. Apenas, numa carta a Armando Cortes Rodrigues, escreveu em 1944: ‘Como lamento não o ter conhecido!’ E, mais tarde, numa crônica, dirigiu-se ao próprio Pessoa nestes termos: ‘M…