Avançar para o conteúdo principal

O prémio atribuído pelo SPN à “Romaria”: absurdo ou coerência estética?


Ainda sobre a atribuição do prémio de poesia Antero de Quental 1934, patrocinado pelo Secretariado de Propaganda Nacional, apresentamos duas visões que nos parecem complementares. Enquanto o escritor e jornalista Luís Miguel Queirós, de acordo com uma perspectiva contemporânea e democrática, dá conta do absurdo (ou do “ridículo”) dessa atribuição, ao salientar a gritante discrepância qualitativa que existe entre a Mensagem e a Romaria, o intelectual Alfredo Margarido, por seu lado, defende que, aos olhos dos ideários estéticos e ideológicos do Estado Novo, a escolha de Vasco Reis para vencedor foi em tudo coerente.



“O mais espantoso é que o júri que escolheu este pastelão [Vasco Reis] incluía quatro autores respeitáveis: a novelista e dramaturga Teresa Leitão de Barros, o poeta Acácio de Paiva, o já referido Mário Beirão e, pasme-se!, Alberto Osório de Castro, poeta de inegável talento, amigo íntimo de Camilo Pessanha, apreciador de Baudelaire e Verlaine, colaborador da Centauro e de outras revistas modernistas. Poderíamos imaginar que se limitou a subscrever a escolha dos outros jurados, para não criar conflitos. Nada disso. Fez questão de deixar escrito, na sua declaração de voto, que, ao ler Romaria, tivera a ‘sensação que produziria a aparição de um Cesário Verde ou de um António Nobre’. Acontece que este novo Nobre escrevia assim: ‘ Com o dinheiro da ceia/ Vais comprar uma candeia./ Tem paciência, Zé Miguel!/ Antes sofrer a larica,/ Que andar sempre na botica.’

Quando este júri, há três quartos de século, pegou na ‘Mensagem’, sem saber o que o esperava, começou por ler esta quadra, que abre o primeiro poema do livro: ‘A Europa jaz, posta nos cotovelos:/ De Oriente a Ocidente jaz, fitando,/ E toldam-lhe românticos cabelos/ Olhos gregos, lembrando. (...)’ Compare-se com a primeira quadra de Romaria: ‘ – Sou ceguinho de nascença/ Deus o quis e foi por bem.../ Que não vejo assim no mundo/ Tanta dor que o mundo tem...’ Já o júri do SPN nem essa desculpa tinha. Nenhum deles era ceguinho.”

QUEIRÓS, Luís Miguel, “Mensagem clonada”, in Lisboa, Público (“Ipson”), 1-12-2009 [texto integral aqui].

Vídeo: a perspectiva de Alfredo Margarido sobre a polémica que envolveu (e ainda envolve) o prémio de poesia atribuído pelo SPN, em 1934, à Romaria de Vasco Reis. Registo efectuado por Luís Vaz, em Junho de 2006.

Mensagens populares deste blogue

Uma análise de um poema da Mensagem

Entre os estudos mais interessantes (e importantes) recentemente publicados sobre a Mensagem de Fernando Pessoa, encontra-se o livro de Nuno Hipólito que leva o sugestivo título de “As Mensagens da Mensagem”, publicado originalmente em 2007. 
Tal como o autor explica no seu blog Um Fernando Pessoa, em razão do livro se encontrar actualmente esgotado nas livrarias, Hipólito decidiu disponibilizá-lo online, em PDF gratuito, numa versão actualizada.

A critica literária de Fernando Pessoa sobre a “Romaria”: elogio ou ironia?

A opinião de Fernando Pessoa sobre a obra e a figura de Vasco Reis não é pacífica. O autor da Mensagem escreveu mesmo sobre A Romaria, livro que tinha ficado à frente daquele no concurso do SPN de 1934. Mas enquanto que no website "Um Fernando Pessoa" se refere que esta “crítica, honesta e subtil, parece prova evidente de que [Pessoa] não guardara rancores do prémio que lhe fora a ele mesmo concedido”, já José Blanco, num ensaio intitulado “A verdade sobre a Mensagem” aponta para o sentido oposto:

O lendário “não-encontro” entre Cecília Meireles e Fernando Pessoa numa noite lisboeta de 1934

“Fato é que Cecília quis conhecer Pessoa e um encontro foi marcado, provavelmente no café A Brasileira, no Chiado. Pessoa não apareceu. Após duas horas de espera, o marido achou melhor desistir. No livro Cecília em Portugal, Leila Gouvêa imagina o seguinte diálogo entre o casal:
Vamos, Cecília, ele não virá! – Podemos aguardar um pouco mais, quem sabe ocorreu um imprevisto... – Não, é perda de tempo. Eu o conheço bem. Se não veio até agora, não vem mais.[…] Muito já se especulou sobre as razões de Pessoa. Prosperou a versão pouco fiável de que a principal delas era de ordem transcendental: os astros o teriam dissuadido de comparecer ao encontro. Heitor Grilo, o segundo marido de Cecília, teria difundido essa história depois da morte dela em 1964. A própria Cecília não contribuiu muito para esclarecer o episódio. Apenas, numa carta a Armando Cortes Rodrigues, escreveu em 1944: ‘Como lamento não o ter conhecido!’ E, mais tarde, numa crônica, dirigiu-se ao próprio Pessoa nestes termos: ‘M…