Avançar para o conteúdo principal

A cena da missa presidida pelo Padre Vasco Reis

Uma das cenas que integram o filme “Poesia de Segunda Categoria” é a missa presidida, em 1935, por Vasco Reis em Moçambique. Espaço onde abruptamente penetramos no momento em que António Ferro anuncia o vencedor do Prémio Antero de Quental (Poesia) de 1934 patrocinado pelo SPN. Para essa cena contámos com os actores Paulo Campos dos Reis (que interpreta o jovem missionário) e Susana C. Gaspar (a rapariga da Igreja em relação à qual aquele parece mostrar alguns sinais de enamoramento).
Contámos também com a extraordinária comunidade católica de Terraços da Ponte (Poço do Bispo), que nos acalentou com os seus cânticos e nos deslumbrou com as suas típicas vestes africanas. Um abraço especial ao missionário Pe. Valentim, por nos ter aberto as portas do seu espaço de culto para a filmagem.

A escolha deste lugar para recriação de uma cerimónia religiosa numa das colónias portuguesas durante a fase inicial do Estado Novo, prende-se com o facto da maioria dos habitantes deste bairro ter raízes nas antigas “províncias” ultramarinas portuguesas. Entrar no espaço de culto da Comunidade Católica de Terraços da Ponte foi, até certo ponto, entrar numa espécie de “cápsula do tempo”. Ali persiste um mundo à parte, onde os traços de urbanidade precária (contemporânea) convive com um sem número de resistências (ou persistências) de forte enraizamento cultural. Durante a filmagem dos cânticos aquelas pessoas não representaram, mas actuaram como coro religioso que são. Foram iguais a si mesmas. São pessoas reais numa situação ficcional.

Uma breve pesquisa levou-nos a encontrar um blog intitulado “Projecto de intervenção para a Quinta do Mocho”, da autoria de um jovem estudante morador daquele bairro, realizado no âmbito de uma disciplina de “Seminário de Integração”. Nesse blog, “Uma breve história bairro em questão (Quinta do Mocho)”, permite-nos saber que inicialmente a população do bairro rondava os 3.500 habitantes, que as pessoas viviam ora em prédios embargados ora em barracas construídas nos anos 70. Entre esses moradores clandestinos uma boa parte era de nacionalidade angolana, mas também existiam santomenses, cabo-verdianos, moçambicanos e famílias provenientes da Europa de Leste.

A antiga Quinta do Mocho (Sacavém), foi entretanto rebaptizada como Urbanização dos Terraços da Ponte onde, a partir de 1999, foi realojada a população do antigo bairro de barracas e dos prédios inacabados. Segundo o que vem referido no blog supra citado, “a mudança de designação pretendia ultrapassar o estigma associado à ‘marca’ Quinta do Mocho, que, testemunham os habitantes, os impedia de ser bem atendidos em repartições públicas ou aceder a muitos empregos.”

Num capítulo subordinado ao tema “A Situação actual do bairro” o autor refere que:

Penso que, aumentar policiais nos bairros sociais, fazer rusgas, aumentar a patrulha etc., pode ser uma boa estratégia de combate a violência e a criminalidade nos bairros sociais, mas não o reduz, acho que por ai não é o caminho certo para diminuir o conflito nesses bairros.
É preciso moldar esses jovens, incutindo-os uma nova filosofia de vida.

Na imagem: tapeçaria pendurada no espaço de culto da Comunidade Católica do Bairro Terraços da Ponte. Fotografia de Luís Vaz desta reprodução de uma tapeçaria do artista haitiano Chaques Chéry, “Declaração dos Direitos do Homem”, editada pela Associação MISEREOR

Mensagens populares deste blogue

Uma análise de um poema da Mensagem

Entre os estudos mais interessantes (e importantes) recentemente publicados sobre a Mensagem de Fernando Pessoa, encontra-se o livro de Nuno Hipólito que leva o sugestivo título de “As Mensagens da Mensagem”, publicado originalmente em 2007. 
Tal como o autor explica no seu blog Um Fernando Pessoa, em razão do livro se encontrar actualmente esgotado nas livrarias, Hipólito decidiu disponibilizá-lo online, em PDF gratuito, numa versão actualizada.

A critica literária de Fernando Pessoa sobre a “Romaria”: elogio ou ironia?

A opinião de Fernando Pessoa sobre a obra e a figura de Vasco Reis não é pacífica. O autor da Mensagem escreveu mesmo sobre A Romaria, livro que tinha ficado à frente daquele no concurso do SPN de 1934. Mas enquanto que no website "Um Fernando Pessoa" se refere que esta “crítica, honesta e subtil, parece prova evidente de que [Pessoa] não guardara rancores do prémio que lhe fora a ele mesmo concedido”, já José Blanco, num ensaio intitulado “A verdade sobre a Mensagem” aponta para o sentido oposto:

O lendário “não-encontro” entre Cecília Meireles e Fernando Pessoa numa noite lisboeta de 1934

“Fato é que Cecília quis conhecer Pessoa e um encontro foi marcado, provavelmente no café A Brasileira, no Chiado. Pessoa não apareceu. Após duas horas de espera, o marido achou melhor desistir. No livro Cecília em Portugal, Leila Gouvêa imagina o seguinte diálogo entre o casal:
Vamos, Cecília, ele não virá! – Podemos aguardar um pouco mais, quem sabe ocorreu um imprevisto... – Não, é perda de tempo. Eu o conheço bem. Se não veio até agora, não vem mais.[…] Muito já se especulou sobre as razões de Pessoa. Prosperou a versão pouco fiável de que a principal delas era de ordem transcendental: os astros o teriam dissuadido de comparecer ao encontro. Heitor Grilo, o segundo marido de Cecília, teria difundido essa história depois da morte dela em 1964. A própria Cecília não contribuiu muito para esclarecer o episódio. Apenas, numa carta a Armando Cortes Rodrigues, escreveu em 1944: ‘Como lamento não o ter conhecido!’ E, mais tarde, numa crônica, dirigiu-se ao próprio Pessoa nestes termos: ‘M…