Avançar para o conteúdo principal

Sobre o nome do Prémio de Poesia (Antero de Quental) do SPN: um outro paradoxo?


No ano em que se comemora o 170º aniversário do nascimento de Antero de Quental, uma questão de pronto nos assalta: como é que alguém que escreveu um texto como Causas da Decadência dos Povos Peninsulares nos últimos três Séculos teria reagido se soubesse que um prémio de poesia com o seu nome fora atribuído a um livro como a Romaria?




Ainda por cima patrocinado por um organismo de um Estado ditatorial e conservador, corporalizado a partir do derrube do liberalismo republicano, da qual sairia em 1933 um novo regime assente num nacionalismo tradicionalista e conservadorismo ruralizante.


Enquanto instrumento central de intervenção da chamada “Politica do Espírito”, o Secretariado de Propaganda Nacional (SPN) corporaliza a mais diligente e continuada tentativa de definição da posição do Estado Novo no campo literário. Anunciados no final de Novembro de 1933, os Prémios Literários relativos a 1934 (distribuídos no ano seguinte, em 21 de Fevereiro de 1935), inauguram um mecanismo do SPN de “regulação do campo literário” (Pinto 2008, 70). O Prémio Eça de Queirós (Romance), O Prémio Antero de Quental (Poesia), o Prémio Ramalho Ortigão (Ensaio), o Prémio Alexandre Herculano (História) e o Prémio António Enes (Jornalismo; posteriormente, Jornalismo – Doutrina ou Polémica) são os que vigorarão desde o início.

Sobre os vectores ideológicos do Estado Novo, refere Rui Pedro Pinto que “O catolicismo integrista de raiz neotomista, que influenciaria determinantemente o pensamento de Salazar – fundamentando um corporativismo respeitador dos grupos naturais, assente numa utopia conversadora de ordem tradicional, em que a religião católica se fundia com a identidade nacional do Pais -, concedia efectivamente uma primazia aos valores espirituais, procurando limitar a acção do Estado pela moral católica” (Pinto 2008, 17).

Como já foi referido por diversas vezes neste blog, enquanto a Mensagem, resultado da “atitude negativa relativamente ao catolicismo” de Pessoa (Onésimso T. Almeida 2007, 207-208), é um poema de interpretação ocultista e simbólica de dimensão marcadamente esotérica (opondo-se assim ao cânones oficiais da Igreja), já a Romaria, do padre Vasco Reis, conta a história de um bolchevique que se converte ao catolicismo.

Influenciado pelo socialismo experimental de Proudhon, enaltecendo a revolução, tendo sido um dos fundadores do Partido Socialista Português, Antero é marcadamente anti-católico e politicamente afecto a um ideário liberal de esquerda centrado na ilustração, na tolerância e na liberdade de expressão. Num ensaio intitulado “O discurso anteriano e a questão laica na Quanta Cura de Pio IX” (Revista de História das Ideias, vol. 13, 1991) , Maria Fernanda Enes (da Universidade dos Açores), suportada pelos contributos de Joel Serrão sobre esta matéria, dá-nos conta do seguinte:

“Antero de Quental, com o seu escrito Defesa da Carta Encyclica de Sua Santyidade Pio IX contra a chamada opinião liberal – considerações sobre este documento publicado em Coimbra em 1865, inscreve-se no número de pensadores laicos que denunciam a Igreja Católica como instituição imóvel e estruturalmente oposta ao ideário liberal.

[...] No dizer de Joel Serrão, o pensamento sócio-político de Antero, por volta de 1865, ‘é caracterizável pelo republicanismo, pelo anarquismo, pelo ateísmo e sobretudo ele é cimentado pela aspiração de justiça’. [...] Em 1862 em A Indiferença em politica ao condenar a reacção cristalizada na vaga missionária, então denominada de jesuística, afirmava já que a liberdade é a ‘primeira condição de toda a moral e de toda a justiça’. 1862 é também a data da publicação do artigo Questão Romana. Aí afirma o confronto entre o passado e o presente, a antiga e nova ordem, que nela se verifica: ‘é o pleito entre o obscurantismo, a intolerância e a tirania, universais inimigos do homem, e a ilustração, a tolerância e a liberdade’.”

Na imagem: manuscrito do “Soneto Redenção” de Antero de Quental
Link da obra de Antero de Quental digitalizada na Biblioteca Nacional (BN) aqui 

Mensagens populares deste blogue

Uma análise de um poema da Mensagem

Entre os estudos mais interessantes (e importantes) recentemente publicados sobre a Mensagem de Fernando Pessoa, encontra-se o livro de Nuno Hipólito que leva o sugestivo título de “As Mensagens da Mensagem”, publicado originalmente em 2007. 
Tal como o autor explica no seu blog Um Fernando Pessoa, em razão do livro se encontrar actualmente esgotado nas livrarias, Hipólito decidiu disponibilizá-lo online, em PDF gratuito, numa versão actualizada.

A critica literária de Fernando Pessoa sobre a “Romaria”: elogio ou ironia?

A opinião de Fernando Pessoa sobre a obra e a figura de Vasco Reis não é pacífica. O autor da Mensagem escreveu mesmo sobre A Romaria, livro que tinha ficado à frente daquele no concurso do SPN de 1934. Mas enquanto que no website "Um Fernando Pessoa" se refere que esta “crítica, honesta e subtil, parece prova evidente de que [Pessoa] não guardara rancores do prémio que lhe fora a ele mesmo concedido”, já José Blanco, num ensaio intitulado “A verdade sobre a Mensagem” aponta para o sentido oposto:

O lendário “não-encontro” entre Cecília Meireles e Fernando Pessoa numa noite lisboeta de 1934

“Fato é que Cecília quis conhecer Pessoa e um encontro foi marcado, provavelmente no café A Brasileira, no Chiado. Pessoa não apareceu. Após duas horas de espera, o marido achou melhor desistir. No livro Cecília em Portugal, Leila Gouvêa imagina o seguinte diálogo entre o casal:
Vamos, Cecília, ele não virá! – Podemos aguardar um pouco mais, quem sabe ocorreu um imprevisto... – Não, é perda de tempo. Eu o conheço bem. Se não veio até agora, não vem mais.[…] Muito já se especulou sobre as razões de Pessoa. Prosperou a versão pouco fiável de que a principal delas era de ordem transcendental: os astros o teriam dissuadido de comparecer ao encontro. Heitor Grilo, o segundo marido de Cecília, teria difundido essa história depois da morte dela em 1964. A própria Cecília não contribuiu muito para esclarecer o episódio. Apenas, numa carta a Armando Cortes Rodrigues, escreveu em 1944: ‘Como lamento não o ter conhecido!’ E, mais tarde, numa crônica, dirigiu-se ao próprio Pessoa nestes termos: ‘M…