Avançar para o conteúdo principal

Fernando Pessoa e a escravatura



Não obstante ter ficado demonstrado, do ponto de vista ideológico e das suas convicções politicas, que Fernando Pessoa era um livre-pensador liberal (ver José Barreto), o poeta não deixa de ser um elitista que desprezava os operários e defendia a escravatura. Um muito interessante texto da autoria de Richard Zenith refere-se directamente a esse assunto:

Fernando Pessoa, sem pudor e sem remorso, era um elitista. Era-o política, sociológica e literariamente. Claro que há elitistas e elitistas... Desde que os ideais de liberté, egalité, fraternité, começaram a expandir-se no século XVIII, houve quem achasse, como Voltaire, que a noção de igualdade entre os homens era uma quimera, apenas se podendo, e devendo, defender uma igualdade de direitos. Nem isto Pessoa defenda. “Para que serve a liberdade às plebes?”, pergunta Ricardo Reis (Ricardo Reis/Prosa, 2003, pp. 128-129) [...] Tanto Reis como António Mora [...] defendem a instituição da escravatura na Antiguidade (ibid., p. 125; Obras de António Mora, 2002, p. 261) e a existência, modernamente, de uma classe “económica de compelidos ao trabalho quotidiano e manual” (Ricardo Reis/Prosa, 2003, p. 128). Álvaro de Campos, depois de ter proposto, no Ultimatum, a dominação da humanidade por um pequeno número de “super-homens”, explica numa “entrevista” que os operários, os quais “são todos uns idiotas”, deveriam ser “reduzidos a uma condição de escravatura ainda mais intensa e rígida que aquilo a que eles chamam a ‘escravatura’ capitalista” (Páginas Íntimas e de Auto-Interpretação, 1966, pp. 419 e 423). 
[...] Atitudes heteronímicas? Não só. Num artigo publicado em 1919 (A Opinião Pública), Pessoa mostra-se favorável à aristocracia e à escravidão das democracias antigas, que assim ficaram ‘vacinadas’ contra um ‘grande número de doenças sociais’, e num texto para um ensaio sobre a conveniência do imperialismo para a não escreveu: ‘ A escravatura é lógica e legítima; um zulo ou um ladim não representa coisa alguma de útil neste mundo’ (Sobre Portugal, 1979, pp. 216-217). Um outro texto ortónimo explica-nos por que razão ‘uma pedra é mais interessante que um operário’ (Escritos Autobiográficos, Automáticos e de Reflexão Pessoal, 2003, p. 374).

Richard Zenith, “O barbeiro, a costureira, o moço de fretes e o gato”, in in A Arca de Pessoa (org. Steffen Dix e Jerónimo Pizarro), Lisboa, ICS, 2007, pp. 295-296.

Na imagem: Fernando Pessoa (interpretado por Rui Mário) e Álvaro de Campos (interpretado por André Gago). Cena do filme “Poesia de Segunda Categoria”

Mensagens populares deste blogue

Uma análise de um poema da Mensagem

Entre os estudos mais interessantes (e importantes) recentemente publicados sobre a Mensagem de Fernando Pessoa, encontra-se o livro de Nuno Hipólito que leva o sugestivo título de “As Mensagens da Mensagem”, publicado originalmente em 2007. 
Tal como o autor explica no seu blog Um Fernando Pessoa, em razão do livro se encontrar actualmente esgotado nas livrarias, Hipólito decidiu disponibilizá-lo online, em PDF gratuito, numa versão actualizada.

A critica literária de Fernando Pessoa sobre a “Romaria”: elogio ou ironia?

A opinião de Fernando Pessoa sobre a obra e a figura de Vasco Reis não é pacífica. O autor da Mensagem escreveu mesmo sobre A Romaria, livro que tinha ficado à frente daquele no concurso do SPN de 1934. Mas enquanto que no website "Um Fernando Pessoa" se refere que esta “crítica, honesta e subtil, parece prova evidente de que [Pessoa] não guardara rancores do prémio que lhe fora a ele mesmo concedido”, já José Blanco, num ensaio intitulado “A verdade sobre a Mensagem” aponta para o sentido oposto:

O lendário “não-encontro” entre Cecília Meireles e Fernando Pessoa numa noite lisboeta de 1934

“Fato é que Cecília quis conhecer Pessoa e um encontro foi marcado, provavelmente no café A Brasileira, no Chiado. Pessoa não apareceu. Após duas horas de espera, o marido achou melhor desistir. No livro Cecília em Portugal, Leila Gouvêa imagina o seguinte diálogo entre o casal:
Vamos, Cecília, ele não virá! – Podemos aguardar um pouco mais, quem sabe ocorreu um imprevisto... – Não, é perda de tempo. Eu o conheço bem. Se não veio até agora, não vem mais.[…] Muito já se especulou sobre as razões de Pessoa. Prosperou a versão pouco fiável de que a principal delas era de ordem transcendental: os astros o teriam dissuadido de comparecer ao encontro. Heitor Grilo, o segundo marido de Cecília, teria difundido essa história depois da morte dela em 1964. A própria Cecília não contribuiu muito para esclarecer o episódio. Apenas, numa carta a Armando Cortes Rodrigues, escreveu em 1944: ‘Como lamento não o ter conhecido!’ E, mais tarde, numa crônica, dirigiu-se ao próprio Pessoa nestes termos: ‘M…