Avançar para o conteúdo principal

Sebastianismo e Alquimia em Fernando Pessoa



Falhada a hipótese de regeneração de Portugal pela via do politico, do económico e do social, para Fernando Pessoa apenas restava a via da espiritualidade, do mito e do simbólico. Uma passagem de António Quadros articula com grande coerência Sebastianismo e Alquimia com os desígnios da Mensagem.

“No terceiro e último andamento, intitulado O Encoberto, Pessoa afirma a possibilidade de uma regeneração nacional pelo mito e pelos símbolos. Em termos políticos, económicos, sociais, culturais, tudo está ou parece perdido. Mas a seu ver a mitogenia, implicando a transmutação do paradigma alquímico; e a poesia de raiz mitogénica, supondo a acção pelo poder mágico e transfigurante da palavra – são mais poderosas do que a sociologia o crê, tendo imprevisíveis efeitos em profundidade.

[...] concluindo a Mensagem , Fernando Pessoa descreve simbolicamente os Tempos como os estádios de uma iniciação ou talvez como as fases de uma operação alquímica, desde o negrume ou o nigredo (o poema ‘Noite’), o sofrimento de uma divisão ou putrefactio (o poema ‘Tormenta’), a alcamia, citrinitas (o poema ‘Calma’), a albação ou o albedo (o poema ‘Antemanhã’) e por último, não desde logo a Grande Obra , após o rubedo ou o ígneo, mas a injunção a que ela surja do nevoeiro e do mistério que a envolve, D. Sebastião redivivo (arquétipo universal do Salvador escondido, do Herói imortal que sempre regressa e ressuscita, como a Fénix, pela purificação do fogo), Rei ressurgido de Portugal – Quinto Império (o poema ‘Nevoeiro’) que termina com um apelo aos irmãos, no enigmático Valete, Frates.

[...] De algum modo, Mensagem culmina toda a obra anterior de Fernando Pessoa, já que, depois da angústia, constantemente sofrida, da cisão interior expressa nos heterónimos, da solidão heroicamente vivida ou da procura do Deus na meditação metafísica, na experiência mística ou na sabedoria do oculto, foi o acto em que se exprimiu positivamente, em que decidiu e em que assumiu, mais do que um escritor ou mesmo um poeta, antes um profeta como Bandarra ou Vieira, um bardo de Portugal como Camões, um cavaleiro-templário trocando o gládio pelo poema, como D. Afonso Henriques ou o Infante D. Henrique, um mitogenista e um alquimista do verbo, como Goethe, olhando em visão espectral a alma encoberta da sua pátria e tudo fazendo pata levantá-la, salva-la, fazê-la reaparecer da espessa névoa que a envolve.”

António Quadros, “Introdução à vida e obra poética de Fernando Pessoa”, in Fernando Pessoa, Obra Poética de Fernando Pessoa. Mensagem e outros poemas afins (Introdução, organização e biobibliografia de António Quadros), Mem Martins, Europa-América, 1985, pp. 79-80.

Na imagem: fotograma do filme “Poesia de Segunda Categoria”. 

Mensagens populares deste blogue

Uma análise de um poema da Mensagem

Entre os estudos mais interessantes (e importantes) recentemente publicados sobre a Mensagem de Fernando Pessoa, encontra-se o livro de Nuno Hipólito que leva o sugestivo título de “As Mensagens da Mensagem”, publicado originalmente em 2007. 
Tal como o autor explica no seu blog Um Fernando Pessoa, em razão do livro se encontrar actualmente esgotado nas livrarias, Hipólito decidiu disponibilizá-lo online, em PDF gratuito, numa versão actualizada.

A critica literária de Fernando Pessoa sobre a “Romaria”: elogio ou ironia?

A opinião de Fernando Pessoa sobre a obra e a figura de Vasco Reis não é pacífica. O autor da Mensagem escreveu mesmo sobre A Romaria, livro que tinha ficado à frente daquele no concurso do SPN de 1934. Mas enquanto que no website "Um Fernando Pessoa" se refere que esta “crítica, honesta e subtil, parece prova evidente de que [Pessoa] não guardara rancores do prémio que lhe fora a ele mesmo concedido”, já José Blanco, num ensaio intitulado “A verdade sobre a Mensagem” aponta para o sentido oposto:

O lendário “não-encontro” entre Cecília Meireles e Fernando Pessoa numa noite lisboeta de 1934

“Fato é que Cecília quis conhecer Pessoa e um encontro foi marcado, provavelmente no café A Brasileira, no Chiado. Pessoa não apareceu. Após duas horas de espera, o marido achou melhor desistir. No livro Cecília em Portugal, Leila Gouvêa imagina o seguinte diálogo entre o casal:
Vamos, Cecília, ele não virá! – Podemos aguardar um pouco mais, quem sabe ocorreu um imprevisto... – Não, é perda de tempo. Eu o conheço bem. Se não veio até agora, não vem mais.[…] Muito já se especulou sobre as razões de Pessoa. Prosperou a versão pouco fiável de que a principal delas era de ordem transcendental: os astros o teriam dissuadido de comparecer ao encontro. Heitor Grilo, o segundo marido de Cecília, teria difundido essa história depois da morte dela em 1964. A própria Cecília não contribuiu muito para esclarecer o episódio. Apenas, numa carta a Armando Cortes Rodrigues, escreveu em 1944: ‘Como lamento não o ter conhecido!’ E, mais tarde, numa crônica, dirigiu-se ao próprio Pessoa nestes termos: ‘M…