Avançar para o conteúdo principal

Fernando Pessoa, astrologia e cartas astrológicas


Durante a fase de rescrita do argumento do filme “Poesia de Segunda Categoria", pudemos contar com a colaboração de Paulo Cardoso, reputado astrólogo e autor, entre outros, do livro Fernando Pessoa. Cartas Astrológicas (Bertrand, 2011), escrito em colaboração com Jerónimo Pizarro.


Paulo Cardoso, muito gentilmente, não só nos prestou aconselhamento, como a ele devemos também a cedência de mapas astrológicos do espólio pessoano, que inspiraram tanto a composição de adereços, como a resolução da trama baseada em dados oriundos da astrologia pessoana.

Na introdução do citado livro de Paulo Cardoso, podemos ler o seguinte:

Ao longo destes 34 anos em que tenho lidado com a prática da astrologia, senti o peso do preconceito e da ignorância. Muitas vezes, quando abordei o tema da astrologia associado a Pessoa, percebi que esse assunto era olhado de soslaio, com uma espécie de aceitação condescendente. Porém, a pouco e pouco, as coisas foram mudando, as evidências e as provas que ia apresentando em centenas de palestras que levei a cabo desde 1981, foram atestando que, afinal, a astrologia tinha fascinado Pessoa e que este tinha sido um astrólogo competente e esclarecido. Com o passar dos anos, consegui reunir as provas de que a astrologia tinha servido de veículo de conhecimento e de filosofia orientadora ao homem, ao escritor; e que ela tinha sido, também, um instrumento útil, estrutural e até determinante na criação dos heterónimos.

[...] Na verdade, o universal Pessoa – este foi um dos seus rasgos geniais – foi um excelente astrólogo, que sabia usar os ensinamentos de uma sabedoria milenar no seu dia-a-dia, nos seus frequentes diálogos consigo mesmo e na descoberta do interior dos outros. A astrologia fez parte do quotidiano do escritor, que lidava com ela de manhã, à tarde e pela noite dentro, como atestam os diversos cálculos e estudos realizados, com indicação precisa da data, hora em que foram feitos.

Na imagem: fotograma do genérico final do filme “Poesia de Segunda Categoria”. Animação da autoria do canadiano Jamie Francis (da Francis Media Enterprises), baseada em cartas astrológicas elaboradas por Luís Vaz a partir do material astrológico pessoano, usando, nesse domínio, os símbolos e imitando o grafismo do poeta da Mensagem.

Mensagens populares deste blogue

Uma análise de um poema da Mensagem

Entre os estudos mais interessantes (e importantes) recentemente publicados sobre a Mensagem de Fernando Pessoa, encontra-se o livro de Nuno Hipólito que leva o sugestivo título de “As Mensagens da Mensagem”, publicado originalmente em 2007. 
Tal como o autor explica no seu blog Um Fernando Pessoa, em razão do livro se encontrar actualmente esgotado nas livrarias, Hipólito decidiu disponibilizá-lo online, em PDF gratuito, numa versão actualizada.

A critica literária de Fernando Pessoa sobre a “Romaria”: elogio ou ironia?

A opinião de Fernando Pessoa sobre a obra e a figura de Vasco Reis não é pacífica. O autor da Mensagem escreveu mesmo sobre A Romaria, livro que tinha ficado à frente daquele no concurso do SPN de 1934. Mas enquanto que no website "Um Fernando Pessoa" se refere que esta “crítica, honesta e subtil, parece prova evidente de que [Pessoa] não guardara rancores do prémio que lhe fora a ele mesmo concedido”, já José Blanco, num ensaio intitulado “A verdade sobre a Mensagem” aponta para o sentido oposto:

O lendário “não-encontro” entre Cecília Meireles e Fernando Pessoa numa noite lisboeta de 1934

“Fato é que Cecília quis conhecer Pessoa e um encontro foi marcado, provavelmente no café A Brasileira, no Chiado. Pessoa não apareceu. Após duas horas de espera, o marido achou melhor desistir. No livro Cecília em Portugal, Leila Gouvêa imagina o seguinte diálogo entre o casal:
Vamos, Cecília, ele não virá! – Podemos aguardar um pouco mais, quem sabe ocorreu um imprevisto... – Não, é perda de tempo. Eu o conheço bem. Se não veio até agora, não vem mais.[…] Muito já se especulou sobre as razões de Pessoa. Prosperou a versão pouco fiável de que a principal delas era de ordem transcendental: os astros o teriam dissuadido de comparecer ao encontro. Heitor Grilo, o segundo marido de Cecília, teria difundido essa história depois da morte dela em 1964. A própria Cecília não contribuiu muito para esclarecer o episódio. Apenas, numa carta a Armando Cortes Rodrigues, escreveu em 1944: ‘Como lamento não o ter conhecido!’ E, mais tarde, numa crônica, dirigiu-se ao próprio Pessoa nestes termos: ‘M…