Avançar para o conteúdo principal

Debate na FCSH "Fernando Pessoa e o Estado Novo"

Fernando Pessoa e o Estado Novo, a propósito da exibição da Curta-Metragem “Poesia de Segunda Categoria”, foi o mote do debate público decorrido no passado dia 22 de Janeiro na Universidade Nova de Lisboa / Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, e cuja mesa era composta por Teresa Rita Lopes, Richard Zenith, Margarida Acciaiuoli, André Gago e Luís Santo Vaz. 

Teresa Rita Lopes começou por lançar interrogações sobre a posição de Pessoa face ao contexto político do Portugal de 1935, enquadrando-a num relativo desprendimento embora demarcando-se cada vez mais decididamente de Salazar - antigo “seminarista das contas” que se tornou “ministro de tudo”. Em especial, sublinhou a relevância do filme em destacar a figura de António Ferro, atribuindo-lhe, em última análise, a responsabilidade pela existência da própria Mensagem, considerando que a obra foi organizada e escrita por Pessoa propositadamente para a atribuição do Prémio de Poesia do SPN.
Richard Zenith empreendeu um paralelismo entre alguns dos excertos do discurso de Salazar na cerimónia de entrega dos Prémios recriada no filme e o conhecido poema Liberdade. Se Salazar, para demonstrar que se deve escrever menos, invoca a citação de Séneca: “Em estantes altas, até ao tecto, adornam a estante do preguiçoso todos os arrazoados e crónicas”, Pessoa ironiza: “Ai que prazer/Não cumprir um dever/Ter um livro para ler/E não o fazer”, ou ainda: “O mais do que isto é Jesus Cristo/ Que não sabia nada de finanças nem consta que tivesse biblioteca…”. Richard Zenith referiu, ainda, que Pessoa deixou uma nota associada ao manuscrito do poema: “Falta uma citação de Séneca”. Ora, segundo Zenith a citação que falta será precisamente a que Salazar utilizou no seu discurso, sendo o poema “Liberdade” uma resposta irónica ao autoritarismo do então Presidente do Conselho.
André Gago, que interpretou Álvaro de Campos, introduziu no debate questões sobre a própria figura de Pessoa, enquanto símbolo iconográfico português, construído através daquilo que já se tornou uma máscara estilizada a partir dos traços da tríade  ‘óculos – bigode-laço’ do Poeta embora, a seu ver, este ainda não faça parte inquestionável da identidade portuguesa, numa visão de enraizamento ‘popular’, poder-se-á dizer, como será Shakespeare na cultura anglo-saxónica.  A propósito do filme, destacou o seu processo de construção de personagem e as várias imagens que para si idealizam o heterónimo, não só o seu aspecto físico (fisionomia, traje…) como principalmente o contexto dos lugares da sua poesia (o cais, a tabacaria). Mas a sua personagem, como contou, ganhou um ímpeto próprio aquando da rodagem, apropriando-se do argumento numa interpretação arriscada a partir do momento e do ambiente de cena.
O público, composto por investigadores da obra de Pessoa, estudantes de várias áreas e amantes do cinema, demonstrou no geral a sua satisfação pelo filme, nomeadamente por recriar um momento histórico pouco conhecido e trazer uma nova abordagem ficcionada destacando a figura de Cecília Meireles enquanto ponte de lusofonia que o próprio legado Pessoano exorta.
Margarida Acciaiuoli, Professora Catedrática da FCSH, organizadora da iniciativa conjuntamente com Bruno Marques, concluiu o serão alertando para a pertinência de levar o filme às escolas e ao público em geral, como gerador de reflexão sobre diferentes áreas multidisciplinares onde o mesmo se insere, nomeadamente por exemplo na História, na Literatura, na Política, entre outras, consolidando todas as potencialidades do filme - que não se pode deixar fechado na gaveta. - na Arca?…
Em aberto ficou a controvérsia se a Mensagem é uma obra fatalista, nostálgica (Zenith) ou cheia de fulgor (Teresa Rita Lopes) e sinal de esperança.
Se o conjunto de 44 poemas deixou de se intitular Portugal para ser MENS AGitat Molen, só poderá ser, como o próprio Pessoa, tudo isso: Fulgor Nostálgico, do nevoeiro a Esperança…



Mensagens populares deste blogue

Uma análise de um poema da Mensagem

Entre os estudos mais interessantes (e importantes) recentemente publicados sobre a Mensagem de Fernando Pessoa, encontra-se o livro de Nuno Hipólito que leva o sugestivo título de “As Mensagens da Mensagem”, publicado originalmente em 2007. 
Tal como o autor explica no seu blog Um Fernando Pessoa, em razão do livro se encontrar actualmente esgotado nas livrarias, Hipólito decidiu disponibilizá-lo online, em PDF gratuito, numa versão actualizada.

A critica literária de Fernando Pessoa sobre a “Romaria”: elogio ou ironia?

A opinião de Fernando Pessoa sobre a obra e a figura de Vasco Reis não é pacífica. O autor da Mensagem escreveu mesmo sobre A Romaria, livro que tinha ficado à frente daquele no concurso do SPN de 1934. Mas enquanto que no website "Um Fernando Pessoa" se refere que esta “crítica, honesta e subtil, parece prova evidente de que [Pessoa] não guardara rancores do prémio que lhe fora a ele mesmo concedido”, já José Blanco, num ensaio intitulado “A verdade sobre a Mensagem” aponta para o sentido oposto:

O lendário “não-encontro” entre Cecília Meireles e Fernando Pessoa numa noite lisboeta de 1934

“Fato é que Cecília quis conhecer Pessoa e um encontro foi marcado, provavelmente no café A Brasileira, no Chiado. Pessoa não apareceu. Após duas horas de espera, o marido achou melhor desistir. No livro Cecília em Portugal, Leila Gouvêa imagina o seguinte diálogo entre o casal:
Vamos, Cecília, ele não virá! – Podemos aguardar um pouco mais, quem sabe ocorreu um imprevisto... – Não, é perda de tempo. Eu o conheço bem. Se não veio até agora, não vem mais.[…] Muito já se especulou sobre as razões de Pessoa. Prosperou a versão pouco fiável de que a principal delas era de ordem transcendental: os astros o teriam dissuadido de comparecer ao encontro. Heitor Grilo, o segundo marido de Cecília, teria difundido essa história depois da morte dela em 1964. A própria Cecília não contribuiu muito para esclarecer o episódio. Apenas, numa carta a Armando Cortes Rodrigues, escreveu em 1944: ‘Como lamento não o ter conhecido!’ E, mais tarde, numa crônica, dirigiu-se ao próprio Pessoa nestes termos: ‘M…