Avançar para o conteúdo principal

ARGUMENTOS A CONCURSO



Encerraram no passado dia 24 de Setembro as inscrições para a primeira edição do Concurso de escrita – Argumentos para curta-metragem. Sabendo que o elemento chave para o sucesso de uma iniciativa desta natureza é a participação dos argumentistas, é com muito prazer que anunciamos que foram recebidas quase centena e meia de candidaturas, tendo sido aceites 135. Encontram-se assim a concurso 135 argumentos para curta-metragem de ficção. 135 histórias, visões, variações sobre o tema proposto: “Mente e Matéria”.

A todas e a todos os argumentistas que apresentaram o seu trabalho, um muito obrigado por terem contribuindo para transformar a iniciativa de uma pequena produtora independente num grande sucesso. Boa sorte a todos! Dia 24 de Outubro, daremos notícias.

Para finalizar, e em consonância com o tema do concurso, deixo a transcrição do monólogo final do “The thin red line”:

(…) Darkness from light.
Strife from love.
Are they the workings of one mind?
The features of the same face?
Oh, my soul, let me be in you now.
Look out through my eyes.
Look out at the things you made.
All things shining.

(…) Escuridão saída da Luz.
Conflito saído do amor.
Serão obras de uma única mente?
Os traços do mesmo rosto?
Ó minha alma, deixa-me agora ser em ti
Vê através dos meus olhos.
Contempla aquilo que fizeste.
Todas as coisas brilhando.

Dash Mihok, (Pvt. Doll), from “The thin red line” by Terrence Malick



A foto da placa de circuitos que ilustra este post  foi o ponto de partida para a imagem do concurso e contribuiu também para a escolha do tema. É a placa de um videojogo Tetris, que funcionou nos inícios dos anos 90 do século passado no salão de jogos da Venda Seca. Algures, naqueles circuitos está ainda registado o recorde absoluto do Tetris na Venda Seca - 792mil e qualquer coisa; que se encontra em nome de LMP - Luís Miguel Pereira. O concurso de escrita é também uma homenagem a ele, não só pelo recorde (que apesar das minhas tentativas nunca consegui superar), mas por toda a generosa benevolência que dele se desprendia. 





Mensagens populares deste blogue

Uma análise de um poema da Mensagem

Entre os estudos mais interessantes (e importantes) recentemente publicados sobre a Mensagem de Fernando Pessoa, encontra-se o livro de Nuno Hipólito que leva o sugestivo título de “As Mensagens da Mensagem”, publicado originalmente em 2007. 
Tal como o autor explica no seu blog Um Fernando Pessoa, em razão do livro se encontrar actualmente esgotado nas livrarias, Hipólito decidiu disponibilizá-lo online, em PDF gratuito, numa versão actualizada.

A critica literária de Fernando Pessoa sobre a “Romaria”: elogio ou ironia?

A opinião de Fernando Pessoa sobre a obra e a figura de Vasco Reis não é pacífica. O autor da Mensagem escreveu mesmo sobre A Romaria, livro que tinha ficado à frente daquele no concurso do SPN de 1934. Mas enquanto que no website "Um Fernando Pessoa" se refere que esta “crítica, honesta e subtil, parece prova evidente de que [Pessoa] não guardara rancores do prémio que lhe fora a ele mesmo concedido”, já José Blanco, num ensaio intitulado “A verdade sobre a Mensagem” aponta para o sentido oposto:

O lendário “não-encontro” entre Cecília Meireles e Fernando Pessoa numa noite lisboeta de 1934

“Fato é que Cecília quis conhecer Pessoa e um encontro foi marcado, provavelmente no café A Brasileira, no Chiado. Pessoa não apareceu. Após duas horas de espera, o marido achou melhor desistir. No livro Cecília em Portugal, Leila Gouvêa imagina o seguinte diálogo entre o casal:
Vamos, Cecília, ele não virá! – Podemos aguardar um pouco mais, quem sabe ocorreu um imprevisto... – Não, é perda de tempo. Eu o conheço bem. Se não veio até agora, não vem mais.[…] Muito já se especulou sobre as razões de Pessoa. Prosperou a versão pouco fiável de que a principal delas era de ordem transcendental: os astros o teriam dissuadido de comparecer ao encontro. Heitor Grilo, o segundo marido de Cecília, teria difundido essa história depois da morte dela em 1964. A própria Cecília não contribuiu muito para esclarecer o episódio. Apenas, numa carta a Armando Cortes Rodrigues, escreveu em 1944: ‘Como lamento não o ter conhecido!’ E, mais tarde, numa crônica, dirigiu-se ao próprio Pessoa nestes termos: ‘M…